Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Deficiência Auditiva em pauta: Napne chama a atenção para o Setembro Verde
Início do conteúdo da página

Deficiência Auditiva em pauta: Napne chama a atenção para o Setembro Verde

Publicado: Segunda, 09 de Setembro de 2019, 08h50 | Última atualização em Segunda, 09 de Setembro de 2019, 10h09

O Setembro inclusivo é o mês dedicado à conscientização da comunidade para várias das questões que envolvem pessoas com deficiência, e o Núcleo de Atendimento a pessoas com necessidades educacionais Especiais (NAPNE) do Campus Muzambinho preparou uma série de ações nesse sentido. 

Nesta entrevista, a Profª Ieda Ieda Mayumi Sabino Kawashita, Coordenadora do NAPNE, e sua equipe falaram um pouco sobre deficiência auditiva e surdez, bem como cenário inclusivo e cotidiano e perspectivas da pessoa com a deficiência. Confira: 


1) O que é surdez e deficiência audutiva, e a partir de que estágio detectamos que a pessoa necessita de atendimento especializado?
- A deficiência auditiva é a perda parcial ou total da capacidade de ouvir sons; Já surdez é quando a pessoa tem ausência total da audição, ou seja, não ouve nada.
Pode-se detectar a surdez ainda na maternidade pelo teste da orelhinha, que deve ser feito logo após o nascimento do bebê. O teste é indolor, rápido, e obrigatório.
Uma vez diagnosticada alguma deficiência, deve-se procurar orientação médica para definir se é surdez ou deficiência auditiva. Em seguida, dá-se início à terapia recomendada pelo médico, que geralmente é fonoaudiólogo(a).

 

2) O Napne atua nesse tipo de situação? Como? 
- O NAPNE atua em parceria com o intérprete de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais); Com os professores, por meio de orientação e capacitação; Com o próprio aluno e seus colegas de turma, bem como com a família.

 

3) Quais são os desafios enfrentados por aqueles que têm essa deficiência, e como o educador atua para atendê-lo? 
- O primeiro desafio é a aceitação da própria família, que deve buscar os recursos necessários. Esses recursos podem ser um aparelho auditivo ou mesmo o aprenzidado de LIBRAS, linguagem cujo uso deve ser estimulado no ambiente familiar.
Já o educador deve planejar suas aulas utilizando mais recursos visuais, procurando falar sempre de frente para o aluno surdo, além de aprender o básico de LIBRAS para se comunicar com ele, entre outras ações.

 

4) Qual é a forma oficial de comunicação adotada, e como ela funciona? Ela esbarra em algum tipo de nacionalidade ou é universal?
- Pela legislação,a forma oficial é a LIBRAS, mas infelizmente muitas pessoas surdas não têm acesso ao ensino da língua, ficando sem este recurso.
Como o próprio nome diz, a LIBRAS é uma língua brasileira, ou seja, as pessoas surdas do Brasil aprendem os sinais que são utilizados aqui. Existem sinais que são mundiais como Oi, Tchau, Tudo bem, entre outros, mas os verbos, nomes, adjetivos, etc., são uma construção de cada país.

 

5) Como avaliam o cenário da inclusão dos deficientes auditivos, e quais são as perspectivas para ele? 
- Aqui entramos na cultura inclusiva, se a pessoa surda está em um ambiente inclusivo, as pessoas à sua volta vão iniciar o processo de aprendizado da LIBRAS para se comunicar com ela.
Podemos dar o exemplo de um aluno surdo que entrou em um curso superior, e os demais alunos da classe procuraram o intérprete de LIBRAS para aprender a língua, além de organizar dia e horário para as aulas.
Infelizmente o processo não teve seguimento porque o aluno em questão desistiu do curso, mas a iniciativa partiu dos próprio alunos.
Verificamos também que esta não é a regra, mas pesquisas indicam que existe uma exclusão das pessoas surdas, pois os colegas de estudo ou trabalho nem sempre estão preparados para se comunicar em um cenário como este.

 

6) O que é o setembro inclusivo e quais são as ações do NAPNE planejadas para este mês?
O Setembro inclusivo é o mês de chamar a atenção da sociedade para as várias questões que envolvem as pessoas com deficiência, que vão desde o preconceito, a exclusão, as barreiras arquitetônicas e atitudinais. Também são abordados temas como o direito à aprenduizagem, ao trabalho, aos relacionamentos, lazer, à uma vida plena.
Podemos considerar um mês de reflexão sobre o tema.
As ações do NAPNE neste ano serão de levar informações à sociedade por meio das redes sociais, promover espaço para depoimentos de pessoas com deficiência, e também falar um pouco sobre a questão trabalhista, por meio de palestra.

 

7) Fale um pouco sobre o NAPNE e suas ações, bem como importância para o campus e comunidade.
O NAPNE é um núcleo de apoio as pessoas com necessidades educacionais específicas que atua para que as pessoas tenham acesso, permanência e sucesso no percurso escolar. Neste sentido as ações são várias, pois o núcleo atua na comunidade escolar como um todo.

O aluno com necessidades educacionais específicas é atendido por diversos meios, como o atendimento educacional especializado (AEE), apoio psicológico, acompanhamento no percurso na escola, etc.

Também são realizados trabalhos de orientação de professores, adaptações de material, discussão de estratégias, avaliação, entre outros.
As famílias também são chamadas para trabalhos em parceria, e são discutidas estratégias, possibilidades, encaminhamentos, e o acompanhamento não só das notas, mas também do dia a dia do aluno na escola.
O núcleo também realiza trabalho de sensibilização e conscientização da comunidade escolar para que todos entendam o que são as deficiências, bem como as potencialidades de cada um. Isto é feito por meio de palestras, vivências, sensibilizações. 
É importante ressaltar que uma comunidade inclusiva não é construída da noite para o dia, devendo haver uma preocupação constante por parte de todos.

Publicação: ASCOM - Campus Muzambinho 
Data: 09/09/2019

registrado em:
Fim do conteúdo da página